BRASÍLIA (Reuters) – O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, concedeu uma liminar para impedir que o jornalista norte-americano Glenn Greenwald, editor do site The Intercept Brasil, seja alvo de qualquer tipo de investigação por autoridades públicas em razão de ter tido acesso e noticiado informações publicadas pelo veículo que trabalha.

O Intercept Brasil tem noticiado, desde o início de junho, reportagens que atribuem supostos diálogos travados pelo ex-juiz da Lava Jato e atual ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e procuradores da força-tarefa da operação em que discutiriam a atuação.

Recentemente, o próprio Mendes foi alvo de reportagens em que procuradores supostamente discutem o impeachment do ministro do Supremo, um crítico da Lava Jato.

Mendes disse na decisão que a atividade jornalística tem proteção prevista na Constituição e não pode ser “vilipendiada por atos investigativos dirigidos ao jornalista no exercício regular da sua profissão”.