O ataque de Jair Bolsonaro ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), provocou uma reação suprapartidária em defesa do Congresso Nacional. Em entrevista à CNN Brasil na quinta-feira, Bolsonaro acusou Maia de conduzir “o Brasil para o caos” e de “conspirar” contra o governo. Recebida como uma agressão ao Legislativo, a fala aprofundou o desgaste entre Palácio Planalto e parlamentares. Além disso, contribuiu para uma resposta imediata: o Senado desistiu de votar nesta sexta-feira uma minireforma trabalhista proposta pela equipe econômica. Trata-se da Medida Provisória do contrato Verde e Amarelo, que perde validade na segunda-feira caso não haja deliberação pelos senadores.

As declarações de Bolsonaro contra o presidente da Câmara foram interpretadas como uma afronta ao Congresso. No Senado, parlamentares expuseram publicamente o desconforto com a postura do presidente da República.

Não vamos tapar o sol com a peneira: a fala de ontem, infeliz, do Presidente da República expôs todos nós, expôs de forma indevida. (…) Nunca vi, nesses seis anos de mandato e acompanhando os dois mandatos do meu pai, que foi senador da República, tanta união entre oposição e situação no Congresso a favor do povo brasileiro. Então, neste momento em que estamos fazendo um esforço para aprovar medidas relevantes para o país, a fala do Presidente foi indevida e enseja, para todos nós, o Congresso como um todo, um pedido de desculpas neste momento – disse a presidente da Comissão de Constituição e Justiça, Simone Tebet (MDB-MS).

Ao responder à acusação no mesmo dia, Maia afirmou que Bolsonaro “taca pedras”, mas o parlamento “responde com flores” em momento de crise. Para o líder do DEM na Câmara, Efraim Filho (PB), a reação do presidente da Câmara deve guiar a manifestação de deputados. Ele argumenta que é preciso ter cautela, pois o Brasil passa por duas crises: econômica e sanitária. Caso seja estimulada a crise política, haveria a “tempestade perfeita” e o “caos institucional”. Ele reconhece que o ato de Bolsonaro, no entanto, uniu o parlamento.

Ele (Bolsonaro) conseguiu unir o Congresso, desde a oposição ao centro e todos os partidos condenaram sua fala.

Na quinta-feira, a reação de deputados ao ataque foi imediata no plenário da Câmara. Logo após a fala do presidente da República, Maia deixou o comando da sessão, onde era votada a ampliação da renda emergencial aos mais vulneráveis. No gabinete, o deputado se colocou à disposição na mesma rede de televisão para responder ao que considerou uma agressão.

Enquanto Maia se ausentou, deputados começaram a pedir a palavra para defendê-lo. Em sessão remota, a maioria acompanhava de casa o conflito televisionado. A partir do ataque gratuito de Bolsonaro, 40 deputados de 22 partidos pediram a palavra para prestar solidariedade a Maia. O momento de desagravo começou quando Hildo Rocha (MDB-MA) assumiu a presidência da sessão e se estendeu até o retorno do presidente da Câmara à cadeira.

Parlamentares de Novo e PSL, do centrão, como DEM, PP, PL e Republicanos, e até da esquerda, caso de PT, PCdoB, PDT, PSB e PSOL, se uniram para fazer uma defesa do Legislativo. Enquanto davam apoio a Maia, sobraram adjetivos para caracterizar Bolsonaro: “covarde”, “destemperado”, “desleal”, “desequilibrado”, “errático”, “invejoso” e até mesmo “lunático”.

Acho que está ficando muito claro, até pela postura do conjunto dos deputados, que ninguém, ninguém aqui está fazendo a defesa da postura do presidente (Jair Bolsonaro). Acho que ele está constrangendo inclusive os que o apoiam nesta Casa. Para mim, esse fato, por si só, demonstra quem está certo nessa situação – registrou.

Em sessão desta sexta-feira no Senado, o líder do PSD, Otto Alencar (BA) disse que Maia tem feito trabalho com “moderação”.

Oficialmente, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), alegou que a maioria dos senadores se manifestou por não votar o texto da Medida Provisória do contrato Verde e Amarelo pelo curto prazo e por falta de acordo com a Câmara e o governo. Também não garantiu sua votação na segunda-feira, quando ela caduca.

O clima no Senado para a votação dessa MP já estava ruim. Parlamentares reclamavam que, mais uma vez, a Câmara encaminhou o texto a poucos dias de ele perder a validade. Ainda assim, em acordo com líderes, Davi decidiu pautá-la para esta sexta-feira. Na noite de ontem, porém, depois dos ataques de Bolsonaro a Maia, o desconfortou se instalou.

Em uma reação acertada entre oposição, independentes e até governistas, senadores decidiram que não votariam a MP. Parte dos parlamentares chegou a defender que também não fosse votado o projeto que cria o orçamento de guerra em segundo turno. Sobre isso, não houve acordo, porque prevaleceu o entendimento que uma decisão desse tipo podia se voltar contra o Senado, sob acusação de não colaborar com o enfrentamento do coronavírus.