Jorge Salgado, candidato da chapa Mais Vasco, que venceu a eleição online para presidente no último sábado, entrou na Justiça na tarde desta terça-feira. O Esporte News Mundo teve acesso a detalhes do caso. Salgado pediu para o desembargador Camilo Ribeiro Rulière, da Primeira Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ), reconsidere sua decisão favorável a Leven Siano, candidato da chapa Somamos que venceu a eleição presencial no último dia 7, e retire o efeito suspensivo sobre decisão em primeira instância que havia liberado a votação em São Januário – reconhecendo, assim, a validade da votação do sábado seguinte.

Salgado reiterou no fim de sua página dez em juízo que o pedido é exclusivamente de reconsideração, já que as “demais questões serão oportunamente tratadas no âmbito de contrarrazões e/ou do recurso adequado”. Nos argumentos, afirmou que “por qualquer lado que se olhe, não há sequer um pilar de sustentação para as ‘eleições’ do dia 7 de novembro”.

Ao longo de sua manifestação na Justiça, Jorge Salgado também apontou possíveis vícios cometidos no período após a liminar do ministro Humberto Martins, presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que vigorou durante uma semana. Questões, como por exemplo, a apuração dos votos sem a presença dos fiscais das cinco chapas então concorrentes ao pleito.

Conforme o ENM antecipou, Leven Siano também se manifestou em segunda instância na última segunda-feira, pedindo para que o desembargador mantenha a sua decisão. O desembargador Camilo Ribeiro Rulière deve se manifestar ainda nesta semana sobre o pedido de manutenção ou não do efeito suspensivo que deferiu na noite da véspera da eleição presencial em São Januário.