Bolsonaro diz que não gosta de pobres, quem gosta é o PT

Na fala Bolsonaro deixa claro que não gosta de pobres.

A cena política nacional, sempre em ebulição, não nos permite calar diante dos absurdos protagonizados a todo momento pelo governo federal – do presidente da república aos ministros e demais assessores – numa orquestração tão harmoniosa que chega a doer! Parece, até, que tudo é minuciosamente programado, inclusive na escolha ministerial, onde cada um, ministro da república ou chefe de setor já tem o seu personagem e papel a executar, definido!

Cada um escolhido a dedo, cumpre o seu papel – na maioria das vezes até constrangedor – defendendo ideais e projetos que só beneficiam a uma minoria, um grupo seleto, parte de um círculo de adoradores, e mais nada é pensado para o Brasil. Interessante é que sempre que tentam explicar os mirabolantes e quase sempre perigosos projetos, usam argumentos a base de eletrodomésticos – liquidificadores e agora geladeiras, para o decreto das armas – ou então casamentos, noivados, alianças (especialidade do Capitão) ao tentar exemplificar brigas e alianças entre os poderes constituídos!

Argumentos pobres para projetos de lei e decretos que são verdadeiras bombas contra uma população totalmente desamparada! O que realmente pretende esse governo ao tratar tão mal uma população cada vez mais pobre e até mesmo miserável? Uma limpeza étnica? Eliminar o que chama de ralé e deixar apenas “os eleitos”? Causa arrepios pensar que seja esse o real propósito! Não consigo pensar aqui em algo edificante (ao menos um) para fazer um contraponto a toda essa negação. Uma reforma previdenciária que puxa para baixo o que já tão baixo está em se tratando de “benefícios” para as classes mais necessitadas. Só tirando dos pobres será possível tampar o rombo? E quanto aos grandes empresários maiores devedores da previdência? Aos privilegiados com gordas aposentadorias? Viúvas pensionistas e filhos e filhas, também, pensionistas beneficiários de polpudas pensões? Mexer com privilégios não seria começar por ai?

E pensar que tem gente defendendo essa tragédia como se fosse a salvação! Existem algumas teorias para explicar certas posições: ou a pessoa não precisa ou jamais precisou da aposentadoria, é muito jovem e não está muito interessado se vai envelhecer, não conseguiu até o momento entender o que está ocorrendo ou é totalmente desprovido de conhecimentos para processar e assimilar qualquer informação! Assim fica mais difícil e torna o quadro mais assustador ainda por constatarmos o quanto somos um país ignorante e subserviente!

O governador da Bahia, Rui Costa, disse em recente entrevista, que o relacionamento do seu estado com o governo federal beira o mais difícil! A pauta única do governo Bolsonaro parece ser a reforma da Previdência. “O relacionamento tem sido muito difícil porque, o governo federal optou por manter o clima eleitoral, o clima de conflito no país e isso tem repercutido no relacionamento com estados e municípios. Falta a proposição de uma agenda propositiva, uma agenda de desenvolvimento para o país. A agenda parece ser a única que é a reforma da Previdência, não é colocada outra que possamos discutir”. Disse.

Com o Decreto das Armas, o governo federal presta um desserviço ao país ao dar vida a um sonho belicoso do Capitão Bolsonaro. Para quem a vida do ser humano ou até mesmo avida animal não tem a menor importância, o presidente com olhos lacrimosos de jacaré e afirmando já haver chorado muito pela dificuldade que é governar, distribui armas e munições a granel para que uma população atabalhoada por tantas ameaças e decepções, se mate ao “pôr do sol”, como pistoleiros no velho oeste!

O país tornou-se um barril de pólvora imenso, pessoas famintas ou apenas odiosas, estão matando e morrendo nas ruas, estão exterminando os nossos jovens (enquanto esse mesmo governo reclama que a população está ficando cada vez mais velha e onerando os cofres da previdência), políticos e empresários corruptos destroem uma nação, como um câncer e ai vem um time descido do umbral pronto para dirigir as nossas vidas – na verdade acabar com elas – distribui elementos de ódio e equipamentos de destruição para um verdadeiro extermínio! Eles não amam o Brasil! Essa é a explicação mais viável para disseminação de tanta raiva!

Esse ódio contra pobres ficou evidenciada nas declarações de Bolsonaro ao afirmar durante a transmissão semanal no Facebook ao vivo na quinta-feira (30). Ele disse que está convencido a vetar o trecho da emenda à MP 863. Deixou claro não gostar de pobres pois quem gosta de pobre é o PT. “Minha tendência é vetar. Aliás, eu fui convencido a vetar o dispositivo. Não só porque é do PT. Se bem que é um indicativo. Os caras são socialistas, comunistas, são estatizantes. Eles gostam de pobre”, justificou o presidente.

O fato de ter que cruzar com pobres nos mesmos corredores e lugares e ter de viajar com estes nos mesmos voos é constrangedor para a classe média! A MP em questão reintroduz o direito de transporte gratuito de bagagem em voos domésticos e internacionais e não estava na versão inicial, tendo sido incluída durante a tramitação no Congresso por uma emenda da bancada do PT. Bolsonaro chegou a dizer que não vetaria a proposta, mas depois atendeu o lobby das empresas pela permanência da cobrança. Ou seja: um governo voltado totalmente para as elites!

A verdade é que o Decreto das Armas, do governo Bolsonaro é, repito, um desserviço ao país, a partir do momento em que arma a população para melhor se engalfinhar e se matar – de forma mais legal, – abre perigosas exceções ao possibilitar revisão de penas a condenados por porte ilegal de armas. Após o presidente flexibilizar as regras sobre armas no Brasil, réus por porte e posse ilegal de armas têm tentado obter a absolvição pelos crimes ou, ao menos, responder por penas mais brandas. Em Minas Gerais, três pessoas presas por porte ilegal de armas conseguiram, e estão sujeitas a uma pena menor do que estariam antes do decreto. Como no Direito Penal a norma retroage para beneficiar o réu, pessoas que foram flagradas antes do decreto com armas ou munições que não poderiam ter em mãos passaram a recorrer aos magistrados.

Ora, se o governo federal se mostra totalmente despreocupado com os efeitos danosos do seu decreto, liberando a qualquer um armas tão poderosas e até de uso exclusivo das Forças Armadas e podendo liberar a venda de até 5 mil balas por pessoa, essa revisão de penas será apenas um detalhe! Mas sem maiores problemas, não é mesmo? Afinal, não foi o General da Reserva e ministro Augusto Heleno do Gabinete de Segurança Institucional que firmou recentemente que a posse de armas é um “direito do cidadão”, assim como ter uma televisão ou uma geladeira? Simples assim!

Afinal, é isso mesmo que estamos vendo acontecer, o que realmente queremos para as nossas vidas? Se não, é bom acordar enquanto ainda respiramos! Amar o país não é apenas vestir uma camiseta da seleção brasileira, ou enrolar-se na bandeira do Brasil dizendo querer mudanças! O momento não está para vestir cores, e sim, ir as ruas sem medo, por exemplo, do ministro da Educação Abraham Weintraub que ameaçou pais e professores por reclamarem o fim dos cortes nas universidades e mais empenho e compromisso com educação. Ao senhor ministro faltou talento até para brincar com uma situação tão séria quando tentou imitar o Gene Kelly em Cantando na Chuva. Um fiasco!

Comentários