Em MG criança tem pênis decepado em cirurgia por erro de médico

Por meio de nota, a prefeitura confirmou que que tem arcado com as despesas financeiras e que “tem dado apoio à criança”

Um estudante de engenharia agronômica denunciou à Polícia Civil que o seu filho, um garoto de 3 anos, teve parte do pênis decepada durante uma cirurgia de fimose realizada no Hospital Municipal Dr. Carlos Marx, em Malacacheta, cidade localizada no Vale do Mucuri. O médico responsável pela cirurgia morreu devido a um infarto dois dias depois de operar a criança. A Polícia Civil está investigando o caso.
Alberthy Rocha, de 24 anos, conversou com o jornal O TEMPO nesta quarta-feira (16) e disse que o filho precisou passar pela cirurgia por recomendação médica. Ao chegar ao hospital para buscar o garoto, Rocha percebeu que a cama dele estava ensanguentada.
“Então, eu retirei o curativo e vi que o pênis do meu menino estava muito machucado. Chamei o médico que realizou o procedimento, mas quem me atendeu foi um plantonista, que não quis se envolver porque ele não havia participado da cirurgia. Consegui falar com o cirurgião só mais tarde, e ele me disse que aquela situação era normal e que, depois de dez dias, a cirurgia iria desinchar e meu filho ficaria bem”, relata.
Rocha conta que o hospital não quis lhe entregar o prontuário do garoto e que ouviu dos funcionários que o médico que realizou a cirurgia era experiente. Entretanto, percebeu que as enfermeiras ficaram assustadas com o estado de saúde da criança.
Amputação constatada
Rocha conta que, ao chegar em casa, a criança continuou a reclamar de dores. Por isso, levou o garoto no dia seguinte a um hospital privado em Teófilo Otoni, na mesma região. “Ao chegar lá, o médico avaliou meu filho e disse que, de fato, parte do pênis dele havia sido amputado. Desesperei na hora”, diz o estudante.
O especialista medicou a criança com um antibiótico para evitar infecção e realizou a reconstrução do coto. Enquanto estava no hospital acompanhando o filho, Rocha diz ter recebido a notícia de que o médico que tinha realizado a cirurgia havia falecido, informação que foi confirmada pela prefeitura da cidade.
O estudante diz que, agora, exatamente um mês após a realização do procedimento, o garoto está bem. “Ainda não sei como será a reconstrução do pênis do meu filho. Ontem (terça, 15), conversei com uma pessoa de Salvador (BA), que é prima de um médico que faz cirurgias desse tipo”, afirma.
Vaquinha
Com objetivo de bancar o tratamento futuro da criança, Rocha criou uma vaquinha online. Até a publicação desta reportagem, o jovem conseguiu arrecadar R$ 17.141,80.
“Tenho que agradecer porque apareceram pessoas boas no meu caminho, porque o poder público só funciona sob pressão, a prefeitura quis tirar o corpo fora”, aponta.
Segundo ele, a prefeitura arcou com as despesas médicas, mas não reembolsou gastos como deslocamento, alimentação e permanência em Teófilo Otoni.
O que diz a prefeitura
Por meio de nota, a prefeitura confirmou que que tem arcado com as despesas financeiras e que “tem dado apoio à criança”. Entretanto, negou que não tenha feito reembolso de outros gastos. “Não há despesas trazidas ao município sem ressarcimento”, alegou.
o Executivo municipal informou ainda que o caso está sendo acompanhado pela Polícia Civil, pelo Ministério Público e pela Gerência Regional de Saúde, além da própria prefeitura, e destacou também que o médico que realizou o procedimento tinha cerca de 30 anos de carreira. “Conduta exemplar. Excelente profissional. Especialista em cirurgia geral. CRM comprova tal histórico”.
A prefeitura informou, por fim, que o hospital não entregou o prontuário da criança no dia da cirurgia porque o pedido foi feito após as 16h, horário de fechamento da secretaria do hospital. “No dia seguinte à cirurgia, o prontuário foi entregue à família às 7h”, disse.
A reportagem entrou em contato com a Polícia Civil para saber como anda o processo de investigação e ainda aguarda retorno.De O Tempo

Comentários