Enquanto você paga impostos absurdos, os bancos não pagam nenhum e tem Lucros Recordes, Itaú, Bradesco e Santander somam R$ 17,1 bi em apenas 3 meses

As informações estão no Valor Econômico de Hoje, 30/07/2019. Enquanto isto o desemprego, a pobreza e a miséria crescem. E Bolsonaro, Guedes e seus Deputados dizem que o problema é a Previdência e a aposentadoria dos trabalhadores que em mais de 80% dos casos ganham apenas 1 salário mínimo e dizem que quem ganha acima de R$ 1.200,00 é ricoBanqueiros não pagam impostos sobre as ações que tem, por que dividendos não pagam impostos. Já trabalhadores que ganham pouco mais de 2 salários mínimos por mês pagam a partir de 15% de Imposto de Renda.

Lê aí a matéria do Valor Econômico sobre o lucro dos Bancos, que aumenta conforme aumenta o desemprego e a miséria do povo. É a Luta de Classes. E ela é dos que trabalham e são explorados, contra os que não trabalham e ganham seu dinheiro no tal “mercado”, que vive justamente das riquezas produzidas por quem trabalha.

Vai a matéria do VALOR ECONÔMICO:

O lucro somado dos três maiores bancos privados do país — Itaú Unibanco, Bradesco e Santander — totalizou R$ 17,131 bilhões entre abril e junho. A cifra representa aumento de 17,85% em relação ao segundo trimestre de 2018.A aposta no crédito mais focado nos segmentos de varejo, em que os spreads são mais elevados, contribuiu com o resultado das três instituições financeiras. O volume de operações cresceu, no primeiro semestre, num ritmo inferior ao previsto para o ano. No entanto, Itaú e Bradesco mantiveram seus guidances, sugerindo uma melhora na segunda metade de 2019. O Santander não divulga projeções.O desempenho do crédito a pessoas físicas e pequenas empresas foi o denominador comum, mas os resultados também refletem as fortalezas de cada banco.No caso do Bradesco, um importante propulsor do lucro foi o resultado de seguros, que somou R$ 3,594 bilhões no segundo trimestre — alta de 11,6% em relação ao mesmo período do ano passado.No Itaú, fizeram diferença o resultado de operações com o mercado, incluindo tesouraria, o controle de despesas e um crescimento expressivo na receita com administração de recursos. Essa rubrica cresceu 14,9%, chegando a R$ 1,27 bilhão no segundo trimestre, e ajudou a compensar o impacto da retração em adquirência.No Santander, destacou-se o crescimento da receita de serviços, especialmente vinda de cartões, adquirência, seguros e serviços de conta corrente.

As informações estão no Valor Econômico de Hoje, 30/07/2019. Enquanto isto o desemprego, a pobreza e a miséria crescem. E Bolsonaro, Guedes e seus Deputados dizem que o problema é a Previdência e a aposentadoria dos trabalhadores que em mais de 80% dos casos ganham apenas 1 salário mínimo.

Comentários