Miguel Reale Jr diz que Brasil vive caso de interdição

Jair Bolsonaro não é caso para impeachment, mas para interdição. É o que afirma o jurista Miguel Reale Jr.

“Estamos realmente num quadro de insanidade, das mais absolutas. Não é mais caso de impeachment, mas caso de interdição”, disparou, durante entrevista à Rádio Gaúcha, nesta segunda (29).

O autor do pedido de afastamento de Dilma Rousseff da Presidência, por crime de responsabilidade fiscal, afirmou que Bolsonaro ofendeu todos os cidadãos que prezam pela defesa dos direitos humanos ao atacar o presidente nacional da OAS, Felipe Santa Cruz, usando a morte de seu pai durante a ditadura militar.

LEIA MAIS:

Lider da OAB diz que Bolsonaro é cruel e que debochou do assassinato do seu pai

FGTS e PIS assegurarão empregos na Caixa econômica Federal

Esses vermes estão querendo calar Sérgio Moro, diz Evandro Mesquita sobre políticos

Depois que Felipe anunciou que vai interpelar o presidente no Supremo Tribunal Federal, Bolsonaro afirmou em vídeo divulgado nas redes sociais que o pai de Felipe, Fernando Santa Cruz, participou de um dos piores grupos de luta armada da esquerda e que foi executado pelos companheiros de ideologia.

Miguel Reale Jr diz que Brasil vive caso de interdição
Foto: Miguel Reale Jr

“Ninguém duvida que havia justiçamento de pessoas da própria esquerda, que quando desconfiava de alguém, executava”, disse Bolsonaro.

“Eu, há mais de ano, dizia que quem fosse democrata não deveria votar em Bolsonaro”, frisou Reale Jr, lembrando que no impeachment de Dilma, o hoje presidente fez um voto exaltando o torturador Carlos Brilhante Ustra.

Comentários