Jair da Farmácia: “Vai sobrar bronca na Justiça para o Prefeito”, afirma radialista da Correio do Vale

O segundo o Radialista da Correio do Vale Fm o atual prefeito de Cuité de Mamanguape-Pb Jair da Farmácia poderá responder na justiça nos próximos meses.

Segundo ele, o problema será causado pelo seu irmão Diocélio, assim como causou problemas na gestão do Ex Prefeito João Dantas.

“Se não atrapalhar sua reeleição, mas vai sobrar bronca nos próximos meses para o Prefeito Jair da Farmácia”

Segundo o mesmo, as informações ainda são extraoficial, de informações seguras de agentes políticos de Cuité de Mamanguape.

Irmão atrapalhando a gestão

Foto: Dicélio, irmão do Prefeito Jair da Farmácia
Foto: Dicélio, irmão do Prefeito Jair da Farmácia

O radialista ainda deixou no ar que o Diocélio (irmão do Prefeito Jair) irá complicar seu projeto de reeleição e mandou um recado ao Prefeito.

“Prefeito Jair da Farmácia, ‘coloque freio’ ou tire seu irmão Diocélio da sua gestão em Cuité de Mamanguape ou será um problema para o senhor”

Vice Prefeito Acusado

De acordo com a promotoras o atual vice prefeito Genilson Dutra dos Santos tem uma obra continuada na cidade através da sua esposa Ana Paula da Silvas Costa que também e secretária da pasta de obras do município.

Ela seria uma espécie de secretária laranja. Além dela, o secretário de Saúde, que cuida dos recursos do FMS, também é apontado como laranja pelo MP. Este seria o segundo crime da gestão.

+ Promotora diz que vice prefeito de cuite de Mamanguape Mantém esposa como secretária laranja na pasta de obras

Mais Complicações na Gestão de Jair da Farmácia

O Ministério Público da Paraíba (MPPB), através da 3ª Promotoria de Justiça Cumulativa de Mamanguape/PB, abriu inquérito para apurar indícios de irregularidades na gestão do município de Cuité de Mamanguape. A reportagem do Paraíba Já contabilizou, ao menos, três crimes.

O primeiro deles, de acordo com a promotora Carmem Eleonora Perazzo, foi a prefeitura ter tocado obra iniciada por uma empresa privada contratada com recursos do Fundo Municipal de Saúde (FMS) para a construção da academia de saúde de Cuité de Mamanguape. Ou seja, a empresa venceu licitação, recebeu valor para a realização da obra, construiu apenas a fundação da obra e a abandonou. A obra foi dada continuidade por outras pessoas contratadas pelo Município, mas os empenhos eram detalhados para outro local.

A promotora aponta ainda que Genilson teria alugado um carro de seu próprio primo, utilizando recursos da gestão – o que seria outro crime.

Ouça os áudios:

Comentários