Pular para o conteúdo
Início » Preso suspeito de cometer homicídios no interior da Paraíba

Preso suspeito de cometer homicídios no interior da Paraíba

Um segundo suspeito de participação nos crimes, que já cumpre pena no presídio Serrotão, em Campina Grande, também teve mandados de prisão cumpridos em seu desfavor

A Polícia Civil da Paraíba prendeu na manhã desta quarta-feira, 12 de maio, um homem suspeito de envolvimento em homicídios e tentativas de homicídios cometidos no município de Cubati. Um segundo partícipe nos crimes, que já cumpre pena no presídio Serrotão, em Campina Grande, também teve mandados de prisão cumpridos em seu desfavor. 

A Operação Sicário, deflagrada pelo Núcleo de Homicídios sediado em Picuí e a delegacia municipal da cidade, contou com o apoio das delegacias de Barra de Santa Rosa e Cuité. As equipes cercaram uma casa na zona rural de Cubati, onde o alvo principal da operação estava escondido, e iniciaram as incursões para cumprir os mandados de prisão.

Em determinado momento, o investigado efetuou dois disparos contra os policiais e tentou fugir, mas foi capturado e preso. 

“Trata-se de um indivíduo perigoso, investigado por diversos crimes na região de Cubati. As investigações apontam que somente no ano passado, por exemplo, ele matou uma pessoa e ainda tentou assassinar outra vítima”, disse o delegado seccional Iasley Almeida.

O alvo capturado é membro de um grupo que representa uma facção criminosa na região. Com ele, os policiais apreenderam um revólver calibre 38, que será submetido a exames periciais. Além dos mandados cumpridos, ele foi autuado em flagrante pelos crimes de posse ilegal de arma de fogo e resistência à prisão.

Presídio Serrotão

Dando prosseguimento às diligências, os policiais civis foram até o presídio Serrotão, em Campina Grande, dar cumprimento a três mandados de prisão contra o segundo alvo da operação. Esses mandados são referentes aos crimes de homicídio, roubo e tráfico de drogas.

“É a resposta que a Polícia Civil dá a quem insiste em cometer delitos. A Polícia Civil não esquece o crime, cedo ou tarde nós chegaremos aos acusados”, concluiu Iasley.